Lula vira preso de alta periculosidade política

  • 31/01/2019
  • 6
  • Categoria(s): Notí­cias Populares |

Medina e Reis

As negativas da Justiça de Execuções Penais de Curitiba...

Veja Mais
Dólar avança com tensão comercial e Previdência no radar
Virada no clima: chuva de granizo e vendavais causam estragos em boa parte do PR
Etanol/Cepea: Preço do hidratado sobe, após três semanas em queda
Taxas futuras de juros recuam com dólar após Ibope reforçar apostas em Bolsonaro
Dólar abre o dia em alta e chega a R$ 4 nesta segunda

As negativas da Justiça de Execuções Penais de Curitiba e da Polícia Federal, e o jogo de cena do presidente do STF, Dias Toffoli — que só atendeu ao pedido de Lula para ir ao velório do irmão quando este já estava sendo enterrado — só reforçam o que já se sabia: o ex-presidente foi enquadrado como preso de alta periculosidade política. As instituições do poder morrem de medo do que poderá vir a dizer ou fazer, de uma eventual mobilização de seus seguidores e do impacto disso no cenário político — ainda que no espaço restrito e no curto tempo de um velório.

Basta mover uma palavrinha para que preso de alta periculosidade política se torne preso político. É isso que as autoridades que negaram a Lula um direito previsto em lei — e que nem a ditadura militar lhe negou quando, na prisão, perdeu a mãe — estão conseguindo fazer: fortalecer o discurso de que ele sofre perseguição política.

A sequência de desculpas furadas para a negativa, agravadas pela tardia e estranha determinação de Toffoli de que o ex-presidente encontrasse a família numa unidade militar em São Paulo, com a possibilidade de que o corpo do irmão fosse para lá levado, compõem uma narrativa pouco convincente. Até mesmo personagens insuspeitos de nutrir qualquer simpatia pelo petista, como o general Hamilton Mourão, vice-presidente da República, consideraram que a permissão para ir ao enterro de um irmão é um ato humanitário. O episódio repercute fortemente nas redes e chegará à mídia internacional.

Qual seria o dano trazido ao país pela presença de Lula no enterro do irmão? Uma manifestação da militância petista? Bem provável que houvesse, mas daí a achar que isso abalaria o governo, o Judiciário, o Congresso, o bispo, vai uma longa distância. Ou não?

Seria preciso estar muito fraco para isso, situação aparentemente impensável para um governo que acaba de assumir na plenitude dos poderes do Estado Democrático de Direito. Uma República que tem medo das palavras de um presidiário que vai a um enterro e voltará em seguida à cadeia não pode andar bem das pernas.

 

Fonte: https://www.brasil247.com

Veja Mais
Produção de trigo na Argentina foi reajustada para 18,7 milhões de tons
Agrotóxicos: Entenda porque o Manejo Integrado de Pragas é tão importante para a produção de alimentos
Trigo sobe na CBOT com maior competitividade do trigo norte-americano
Balanço Mensal de Trigo: Trigo Brasil, Trigo Argentina e Trigo Mercado Externo (05.04)
Armazenagem de grãos: o desafio em superar o déficit para um país conhecido como celeiro do mundo

Quer receber as últimas atualizações de Trigo, Milho, Farinhas, Farelos, Soja e do agronegócio em seu e-mail?

Cadastrar





Sobre AF News

A AF News com sede em Curitiba PR, foi idealizada para poder atender as necessidades de empresas e pessoas com informações de mercado e análises. Com responsabilidade, ética e imparcialidade nosso objetivo é promover o questionamento e a divulgação de informações útei...
Continue Lendo