Panificação: Dia do pão será comemorado em 16 de outubro, conheça um pouco da história do produto no Brasil

  • 14/10/2020
  • 1
  • Categoria(s): Notí­cias Populares |

Panificação

Antes considerado um símbolo de poder pelos egípcios, que descobriram como fermentar o trigo 6.000 anos atrás, o alimento se tornou popular no mundo todo. Confira:


Patrocinado

Francês, rústico, bengala, filão, caseiro, de cereais, ciabatta, bisnaguinha, sírio, doce, australiano, de forma, italiano, integral… O pão é um dos alimentos mais tradicionais no mundo. O Dia Mundial do Pão — comemorado em 16 de outubro — foi instituído em 2000, em Nova York, pela União dos Padeiros e Confeiteiros.

A história do pão é antiga. Ele teria surgido há mais de 6 mil anos, quando os egípcios descobriram a fermentação do trigo. Ele era considerado um alimento básico e um símbolo de poder. Aqueles preparados com trigo de qualidade superior eram destinados apenas aos ricos. Os egípcios se dedicavam tanto que se tornaram conhecidos como “comedores de pão”.

“É importante lembrar da importância que o pão tem para a humanidade. Desde os primórdios, os grãos eram consumidos de forma bruta, comidos crus. Posteriormente, alguns historiadores falam que, por acidente, os pães – que eram formados numa pasta mascada na boca, pasta essa feita de mingau – caíram em cima de uma pedra quente, em uma fogueira e, a partir dali, gerou-se uma massa assada”, conta o historiador e especialista sobre pão, Augusto Cezar de Almeida.

Quando o homem começou a controlar o processo de fermentação, a técnica se aprimorou e se espalhou pelo mundo. “No começo da história, tinha muita rejeição àquilo que fermentava porque dava ideia que estava estragando. Quando se teve controle, com Pasteur [Louis Pasteur, cientista francês, 1822-1895], que foi um estudioso que conseguiu controlar e entender o processo fermentativo, essa ação da fermentação passou a se propagar de forma mais controlada, mais industrial”, relata.

O pão no Brasil

Almeida conta que o produto chegou ao Brasil por meio dos portugueses: “O primeiro documento que narra um brasileiro consumindo pão foi a carta de Pero Vaz de Caminha. Quando as naus [portuguesas] chegaram em território brasileiro, elas traziam pães. Os índios então provaram, pela primeira vez, aquilo que era totalmente estranho. E a reação dos índios não foi lá muito favorável porque eles não estavam habituados. Os produtos que se consumiam aqui eram derivados da mandioca e típicos da região”.

Os pães que foram provados pelos índios eram muito rústicos e, pela longa viagem, provavelmente eram duros também. “Por isso não deve ter sido muito fácil aceitar”, diz Almeida.

Mas com o plantio do trigo, que teria sido iniciado pelas sementes trazidas por Martim Afonso de Souza [nobre e militar português, 1490-1570], é que o hábito de comer pão começa a crescer no país. “O militar Martim Afonso de Souza se tornou donatário da Capitania de São Vicente, primeira capitania que tivemos no Brasil. Ele também era governador da Índia, muito próxima das regiões árabes, e trouxe sementes de trigo para o Brasil”, conta o historiador.

Obtenha informações estratégicas para a melhor decisão de compra e venda de produtos agrícolas em AF News Agrícola.

 

Fonte: Canal Rural

Veja Mais
Destaques da Economia (16 a 20/11): Anvisa aprova medidas para acelerar registro de vacina, dólar acumula queda na semana
Economia: Dólar engata queda ante real com otimismo sobre vacina e BC no radar
Economia: EUA são deixados para trás após Ásia formar maior bloco comercial do mundo, diz Câmara de Comércio local
Fatores Climáticos: Confira a previsão do tempo para esta segunda e terça-feira
Fatores Climáticos: volume de chuva aumenta em parte do país neste fim de semana

Quer receber as últimas atualizações de Trigo, Milho, Farinhas, Farelos, Soja e do agronegócio em seu e-mail?

Cadastrar





Sobre AF News

A AF News com sede em Curitiba PR, foi idealizada para poder atender as necessidades de empresas e pessoas com informações de mercado e análises. Com responsabilidade, ética e imparcialidade nosso objetivo é promover o questionamento e a divulgação de informações útei...
Continue Lendo