Guerra comercial EUA x China: depois da trégua, investidores percebem sinais de melhora no câmbio chinês

  • 14/10/2019
  • 8
  • Categoria(s): Notícias Agrí­colas |

Trégua entre EUA e China

A semana iniciou com reação cambial positiva para os investidores nas Bolsas Asiáticas, depois do anúncio de um acordo de primeira fase feito entre os norte-americanos e a China, na última sexta-feira (11).  É que os principais índices acionários da China tiveram alta de mais de 1%, liderados pelas ações de tecnologia e do setor financeiro.

Após 15 meses de conflitos entre as duas maiores potências econômicas do mundo, uma trégua trouxe fôlego novo ao mercado financeiro chinês, com  valorização de 1,06%  para os índices CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, enquanto o índice de Xangai subiu  1,15%. Em Seul, o índice Kospi teve alta de 1,11%. Em Taiwan, o índice Taiex teve valorização de 1,63%.

“Alcançamos um acordo substancial de primeira fase com a China”, anunciou  o presidente norte-americando, Donald Trump,  em coletiva de imprensa logo após sua reunião com o vice-premiê chinês, Liu He, na Casa Branca.

Segundo ele, o tratado abrange questões de propriedade intelectual, serviços financeiros, política cambial e exportação de produtos agrícolas.

Alívio global

O acordo parcial, descrito pelo presidente norte-americano como ‘substancial’ na primeira fase, deverá render à economia global um certo “alívio”, depois do clima de  sucessivas “tensões”  travadas entre ambas potências.

“Nesta primeira etapa cobrimos bem a parte de política cambial e comércio agrícola”, afirmou Trump. Além do acordo preliminar, Trump também decidiu pela suspensão do aumento de tarifas, que deveriam subir de 25% para 30%  sobre os bens de exportação para os chinenses, previsto para entrar em vigor nesta terça-feira (15).

A China espera que Trump também descarte um aumento tarifário previsto para dezembro.

As informações dão conta que a segunda fase deve ser discutida imediatamente após a assinatura da primeira. Questões sobre propriedade intelectual serão tratadas na segunda fase das negociações, assim como questões envolvendo comércio tecnológico argumentou Trump.  

De acordo com o presidente norte-americano,  a China  se comprometeu a comprar  entre US$ 40 a 50 bilhões em produtos agrícolas.  “Esse é o maior acordo do tipo já feito em nosso país. Antes, os chineses estavam comprando apenas US$ 8 bilhões de nossos fazendeiros. Aconselho nossos produtores rurais a comprar mais terras”, disse Trump em tom otimista.  

O acordo deve ser documentado e assinado num prazo de quatro a cinco semanas, se não houver nenhum impedimento até lá. A previsão é de que o presidente norte-amerciano, Donald  Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, se encontrem  entre os dias  16 e 17 de novembro, data em que ocorrerá  a reunião dos países participantes da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apea). “Esse seria o momento perfeito para uma assinatura, mas vamos ver”, finalizou Trump.

*Com informações Reuters

Obtenha informações estratégicas para a melhor decisão de compra e venda de produtos agrícolas em AF News Agrícola.

Veja Mais
Agronegócio Brasileiro: Saldo comercial do agronegócio brasileiro bate recorde em 2020, aponta CNA
Defensivos Agrícolas: Países europeus demonstram preocupações com gergelim da Índia
Tecnologia Agrícola: Sistema é capaz de prever com uma semana de antecedência ocorrência de pragas
Agricultura de Precisão: Satélites vão ajudar a fazer mapeamento completo da produção de soja no Brasil
Bovinocultura: Sem pastagem e com ração cara, produtor de leite abate 30% do rebanho

Quer receber as últimas atualizações de Trigo, Milho, Farinhas, Farelos, Soja e do agronegócio em seu e-mail?

Cadastrar