Notícias Agrícolas - AF News

Última atualização: 20/4/2017 - Atualizado em 02/10/2013h46

Vendas aquecidas de máquinas aumentam expectativa para a Agrishow 2017

Expectativa é que a comercialização de tratores e colheitadeiras no evento retome um volume de negócios superior a R$ 2 bilhões

De AF News Análises

Fonte: Revista Globo Rural

O mercado de máquinas agrícolas mais aquecido do que no ano passado é o termômetro das expectativas de negócios para a Agrishow 2017. A feira será realizada entre os dias 1o e 5 de maio, em Ribeirão Preto (SP), com a promessa de ser, mais uma vez, uma das principais vitrines da tecnologia no campo.

Na edição do ano passado, realizada no final de abril, o clima era de incerteza e o discurso cauteloso. No primeiro trimestre de 2016, as vendas de máquinas haviam caído quase 44%, apontava a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), que representa as maiores montadoras do setor. Apesar das expectativas mais conservadores, a feira contabilizou negócios de R$ 1,95 bilhão, superando a edição de 2015 (R$ 1,9 bilhão).

Neste ano, as expectativas são mais otimistas, afirma João Carlos Marchesan, presidente do conselho administrativo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), uma das promotoras do evento. Ele espera que a Agrishow deste ano retome um volume de negócios superior a R$ 2 bilhões.

“Estamos em um ano virtuoso, colhendo uma supersafra. O agricultor está mais confiante e investindo novamente, a demanda não está ruim e o setor vai crescer neste ano. Os preços estão bons e, se melhorar o valor do dólar, ficará mais competitivo para o agricultor”, analisa João Carlos.

Os números do mercado de máquinas agrícolas, desta vez, dão razão para pensar positivo. Segundo a Anfavea, em fevereiro passado, as vendas aumentaram 16,2% em relação a janeiro. No comparativo com fevereiro de 2016, o crescimento foi de 33,5%. No primeiro bimestre, foram vendidos 49,9% a mais que nos dois primeiros meses de 2015 entre as montadoras representadas pela entidade.

A maior demanda refletiu na maior disponibilidade de crédito. O montante liberado por meio do Moderfrota já superou o previsto no Plano Safra para o atual ciclo agrícola. Entre julho de 2016 e fevereiro de 2017, as operações somaram R$ 5,18 bilhões para um montante programado de R$ 5,05 bilhões.

A situação já era esperada pelo governo. Tanto que o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, garantiu um reforço de R$ 2,5 bilhões para o programa. Promessa feita, aliás, em encontro com representantes da Abimaq, na sede da entidade, em São Paulo.

“Estamos contando com isso. A demanda do Moderfrota está maior que no ano passado. Não pode faltar recurso”, diz João Carlos.

Outro ingrediente de otimismo é a liberação antecipada de linhas de crédito de pré-custeio, destinada a financiar a compra de insumos para a safra 2017/2018. Só por meio do Banco do Brasil foram R$ 12 bilhões. Soma-se a isso a participação de bancos privados nesse tipo de operação, que deve ser uma alternativa a mais de negócio durante a feira.

Com visão otimista para o agronegócio, o Santander tende a repetir a estratégia adotada em eventos como a Agrishow e colocar crédito pré-aprovado à disposição dos visitantes. O banco espanhol não informou o previsto para a feira deste ano. No evento de 2015, a instituição antecipou R$ 850 milhões.
veja também
informativo - assinatura
O cadastro é rápido, fácil e você passa a ter acesso a
benefícios exclusivos: Receber as diversas newsletters,
comentar as materias publicadas e balanços semanais.