Notícias Agrícolas - AF News

Última atualização: 09/6/2016 - Atualizado em 02/10/2013h46

MS produzirá menos milho e crédito agrícola pode ser menor

Mais do que uma preocupação com a redução da produção de milho na safrinha que começa a ser colhida em meados de junho, o governo de Mato Grosso do Sul vislumbra a importância de o produtor sul-mato-grossense conseguir vender bem o que colher e, dessa forma, estar capitalizado para o plantio da próxima safra, de soja.

De AF News Análises

Ocorre que as autoridades governamentais de Mato Grosso do Sul já vislumbram para os próximos meses uma dificuldade maior de acesso ao crédito, inclusive para o agronegócio, pela crise financeira e pelas medidas que começam a ser adotadas pelo governo do presidente em exercício Michel Temer.

“Em função das dificuldades de crédito que se avizinham, se o produtor rural não estiver capitalizado a partir da colheita da safra atual de milho, as coisas podem se complicar para que os agricultores possam continuar plantando”, avaliou uma fonte do governo de Mato Grosso do Sul.

SAFRINHA MENOR
Na Secretaria da Produção e da Agricultura Familiar - Sepaf não se cogita em dar números a uma provável quebra da safrinha de milho de 2016. Certamente haverá uma quebra, admitiu na semana passada o secretário-adjunto da Sepaf, Jerônimo Alves Chaves. No entanto, ele considera difícil, e até pouco producente atualmente, se precisar de quanto poderia ser essa quebra.

Uma coisa é certa e isso já se admite. O rendimento do milho safrinha por hectare na atual safra deverá ficar abaixo dos 5.000 quilos.

Na safrinha do ano passado, quando foram plantados 1,6 milhão de hectares de milho e produzidos 9,5 milhões de toneladas, o que representa um rendimento de 5.764 quilos de milho por hectare.

No ano anterior, 2014, a área foi um pouco menor, de 1,57 mil hectares plantados e o rendimento por hectare também foi menor, embora ainda muito bom, de 5.126 quilos por hectare.

Em 2013 a área foi de 1,5 milhão de hectares e o rendimento por hectare mais baixo, de 4.828 quilos por hectare e em 2011 a produtividade por hectare bem aquém dos anos seguintes, ficando em 3.600 quilos por hectare, quando a área plantada foi de 953 mil hectares.

Embora admita uma quebra da safrinha neste outono-inverno em Mato Grosso do Sul, Jerônimo Alves Chaves não acredita em um volume de perdas mais significativa.

Segundo ele, o milho plantado primeiro - e houve atraso na colheita da soja por conta das chuvas - foi o mais prejudicado por um período de forte calor e estiagem em abril e por baixas temperaturas em períodos do mês de abril e de maio.

De forma bem racional, ele acredita que a safrinha deste ano seja menor do que a do ano passado por esses motivos citados. E acha que a produtividade deverá ficar abaixo das 5 mil toneladas por hectare, mas não muito menos que isso.

O produtor deve estar atento, no entanto, lembra o secretário-adjunto, com a comercialização de sua safra. O preço do milho atualmente está bom, mas tão logo a colheita comece é natural que haja queda nas cotações do produto. Por isso, aqueles produtores que não venderam antecipadamente devem agir para comercializar o mais rapidamente possível. Conforme citou Jerônimo Alves, já tem produtor que plantou mais cedo colhendo a produção com o milho ainda verde, secando no armazém para poder comercializar antes que as cotações tenham baixas mais significativas.

O governo do Estado avalia também a questão do abastecimento interno, especialmente da avicultura e suinocultura, e há o pensamento conjunto de que não haverá problemas de abastecimento interno, mesmo com a grande demanda por exportações verificada nos últimos anos.

DIA DO MILHO
O milho é a segunda maior cultura de importância na produção agrícola no Brasil, sendo superado apenas pela soja que lidera a produção de grãos no País. Para a safra 2015/2016, a produção esperada é de 80 milhões de toneladas. O milho está na história do Brasil desde os primórdios do descobrimento, sendo cultivado por tribos indígenas das regiões Centro-Oeste, e possui tradição na culinária brasileira com pratos como a pamonha, o curau, o mingau e a pipoca, dentre outros. Nesta terça-feira (24) foi comemorado o Dia Nacional do Milho, criado pela Lei n° 13.101/2015, com o objetivo de estimular sua cultura no País. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) parabeniza os agricultores que produzem e contribuem com o aumento e a promoção do cereal.

No início de seu cultivo, o milho era utilizado basicamente para a subsistência humana. Com o decorrer do tempo foi ganhando importância e transformou-se no principal insumo para a produção de aves e suínos, além de sua importância estratégica para a segurança alimentar do brasileiro ao longo das últimas décadas.

O Brasil já é o segundo maior exportador mundial de milho, superado apenas pelos Estados Unidos. O produto é reconhecido por sua boa qualidade e por garantir o abastecimento em vários países exatamente no período da entressafra dos EUA. Os principais países importadores do milho aqui produzido são o Vietnã, Irã, Coreia do Sul, Japão, Taiwan, Egito e Malásia.
Fonte: Correio do Estado
veja também
informativo - assinatura
O cadastro é rápido, fácil e você passa a ter acesso a
benefícios exclusivos: Receber as diversas newsletters,
comentar as materias publicadas e balanços semanais.