Notícias Agrícolas - AF News

Última atualização: 23/3/2017 - Atualizado em 02/10/2013h46

Frigoríficos citados na Carne Fraca fecham e demitem 280 funcionários

Duas unidades, que pertencem a Central de Carnes Paranaense Ltda, e ficam na Região Metropolitana de Curitiba; diretor comercial diz que não vende mais.

De AF News Análises

Fonte: G1

Os dois frigoríficos da Região Metropolitana de Curitiba que foram alvos da Operação Carne Fraca suspenderam as atividades nesta quarta-feira (22) e demitiram 280 funcionários. As empresas pertencem ao grupo Central de Carnes Paranaense Ltda.
Carlos Eduardo Valter, que trabalhava na área de manutenção de um dos frigoríficos, se emocionou ao pensar nas consequências. “Você já pensou como é que fica? Todo mundo tem família, todo mundo... Não sei como vai ser”. Foram 25 anos na empresa.
“Trabalho aqui há 24 anos, é uma vida inteira. E a única coisa que eu tenho para falar é que eu sinto muito pelos funcionários que estão aqui trabalhando, que dependem (...). Eu ainda tenho suporte, mas e os pais de família. Eu sinto muito por isso que está acontecendo. Espero que tudo se resolva”, comentou Dirce Barbosa Alves dos Santos, que trabalhava na área administrativa.
A Operação Carne Fraca foi deflagrada na sexta-feira (17) e é considerada a maior ação, quando se fala em números, da Polícia Federal (PF). Nela é investigado um esquema de fraude na produção, fiscalização e comercialização de carnes, envolvendo pagamento de propina a fiscais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) . A investigação encontrou indícios de adulteração de produtos e venda de carne vencida e estragada.
Das 21 fábricas investigadas, 18 ficam no Paraná – veja o que é investigado em cada um dos frigoríficos.
O frigorífico Souza Ramos é investigado na Carne Fraca porque, segundo a Polícia Federal, entregou salsichas fora do padrão para escolas do Paraná. Eles substituiram peru por frango, de acordo com a investigação. O frigorífico, ainda conforme a polícia, forneceu, em 2014, 14 toneladas.
A Secretaria Estadual de Educação informou que cancelou os contratos com o Souza Ramos e que abriu uma investigação interna.
O diretor comercial Edinandes Alexandre Santos disse que, em 2014, o frigorifico pertencia a outros donos. Ainda conforme Santos, os atuais proprietários compraram o estabelecimento em novembro de 2015.
“Nós sabíamos deste processo que estava rodando. Inclusive, a gente fez a leitura dos laudos aprovando o material. Mais adentro mesmo do assunto eu não consigo entrar porque eu não posso te dar certeza”, acrescentou Santos.
O frigorífico Master Carne é investigado por corrupção e por injeção de produtos cárneos. A Polícia Federal afirma que a empresa colocava água no frango. A empresa afirma, por outro lado, que apenas comercializa os frangos. Ainda segundo o Master Carne, a empresa já estava enfrentando problemas econômicos, mas, após a deflagração da operação, as vendas acabaram. Nada mais foi vendido, e pedidos foram cancelados.
“A empresa não suporta mais por falta de verba. Desde sexta-feira a gente não efetua mais venda, não consegue mais vender os produtos. Muito cliente assustado com a repercussão deixou de receber os produtos já fechados. As vendas já programadas que esses tinham, eles pediram para a gente não entregar. Ou seja, a gente perdeu duas vezes porque a gente perdeu duas vezes porque não vendeu e produziu o produto”, disse Edinandes Alexandre Santos.
Prejuizos
O Secretário de Agricultura do Paraná, Norbeto Ortigara, falou sobre os prejuízos que recaem sobre o setor.
“A suspensão temporária de exportações por importantes mercados pode provocar um represamento de produção e afetar toda a cadeia. Certamente, se isso perdurar, nós teremos pintainhos não entregues, fábricas de ração parando, unidades industriais com estoques cheios de carne”, disse Ortigara.
O secretário avalia que é necessário debelar esta crise, mostrar ao mundo a confiança na higidez no sistema de inspeção brasileiro. Ele afirmou também que o estado se empenha para dar força às ações do governo federal, Ministério da Agricultura e Itamaraty para que se dê transparência e se prove que o país não tem problema sanitário.

veja também
informativo - assinatura
O cadastro é rápido, fácil e você passa a ter acesso a
benefícios exclusivos: Receber as diversas newsletters,
comentar as materias publicadas e balanços semanais.