Notícias Agrícolas - AF News

Última atualização: 05/9/2018 - Atualizado em 02/10/2013h46

Dólar tem leves oscilações com cenário eleitoral e exterior

O dólar operava com leves oscilações ante o real nesta quarta-feira, com o mercado ainda cauteloso com a guerra comercial entre ...

De AF News Análises

O dólar operava com leves oscilações ante o real nesta quarta-feira, com o mercado ainda cauteloso com a guerra comercial entre Estados Unidos e seus parceiros e turbulências enfrentadas por países emergentes, além do quadro eleitoral doméstico.

Às 10:24, o dólar avançava 0,03 por cento, a 4,1543 reais na venda, depois de fechar a véspera praticamente estável. O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,25 por cento.

O dólar operava com leves oscilações ante o real nesta quarta-feira, com o mercado ainda cauteloso com a guerra comercial entre Estados Unidos e seus parceiros e turbulências enfrentadas por países emergentes, além do quadro eleitoral doméstico.

Às 10:24, o dólar avançava 0,03 por cento, a 4,1543 reais na venda, depois de fechar a véspera praticamente estável. O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,25 por cento.

“Após Argentina, Turquia e África do Sul, agora a Indonésia também entra no radar do mercado”, escreveu o estrategista de multimercados da gestora Icatu Vanguarda, Dan Kawa. “Tudo isso é apenas sintoma do mesmo problema, ou seja, a redução global de liquidez.”

A rúpia caiu para o seu nível mais fraco desde a crise financeira asiática de 1998, fechando em 14.930 por dólar nesta sessão. As ações caíram mínimas em quase dois anos e os preços dos títulos também recuaram.

A moeda tinha um dos piores desempenhos emergentes da Ásia, com os investidores despejando ativos à medida que as taxas dos Estados Unidos sobem e em meio ao medo de contágio de crises na Argentina e na Turquia.

A Argentina vem sofrendo fortes turbulências e crise econômica, levando o governo a buscar adiantar recursos do Fundo Monetário Internacional (FMI).

O dólar rondava a estabilidade frente a uma cesta de moedas, depois de subir mais cedo em meio a temores de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, possa intensificar a guerra comercial com a China ao impor tarifas sobre mais importações chinesas.

Internamente, o cenário eleitoral mantinha a cautela dos investidores, diante da indefinição sobre a chapa petista à Presidência da República. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve sua candidatura barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na madrugada do último sábado com base na Lei da Ficha Limpa.

Na decisão, a Justiça deu prazo até o dia 11 de setembro para o PT escolher um substituto para a cabeça de chapa. Fernando Haddad é o plano B do PT e deverá assumir este papel.

Com isso, a divulgação de pesquisas eleitorais previstas para esses dias foram postergadas. O Ibope fez uma consulta ao TSE após realizar uma “adequação” que retirou da pesquisa o cenário com Lula. E o Datafolha, que divulgaria levantamento nos próximos dias, resolveu suspendê-lo e fazer outro para publicar na próxima segunda-feira.

O mercado vê o PT como menos comprometido com as contas públicas. Como Lula lidera todas as pesquisas de intenção de votos, os investidores temem que sua exposição maior dê força à transferência de votos a Haddad.

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 10,9 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de outubro, no total de 9,801 bilhões de dólares.

Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.


Fonte: Exame.
veja também
informativo - assinatura
O cadastro é rápido, fácil e você passa a ter acesso a
benefícios exclusivos: Receber as diversas newsletters,
comentar as materias publicadas e balanços semanais.